R. D. Dinis nº 27 » 2400-129 Leiria » Portugal

2008/11/06

Rovaniemi, a terra do Pai natal


Rovaniemi é a capital e centro comercial da Lapónia, localizada na Finlândia, próximo ao Círculo Polar Ártico. Com cerca de 59.000 habitantes é a 13º município finlandês em população. Rovaniemi está situada entre a serra de Ounasvaara e Korkalovaara, sendo atravessada pelo rio Kemijoki e o seu afluente Ounasjoki. A cidade é cercada pela floresta boreal e apresenta temperatura média anual de +0.2 °C, tendo registrado –47.5 °C, sua mínima absoluta, em 28 de janeiro de 1999.


A Lapónia é célebre pelas suas paisagens de beleza deslumbrante, pela neve a perder de vista e por possuir mais renas do que habitantes. Em plenas férias escolares, sugerimos-lhe uma viagem em família à aldeia do Pai Natal, com direito a um passeio de trenó puxado por cães Husky e uma noite passada num igloo. Pela sua situação geográfica, é tida pelas crianças ocidentais como sendo a terra natal do Pai Natal.


A Finlândia é um país fascinante qualquer que seja a estação do ano ou a região que visite. Recomenda-se, por exemplo, a chamada Região dos Lagos, no centro do país. Com milhares de ilhotas espalhadas pelos lagos - o maior tem quatro mil quilómetros quadrados e ligação ao mar -. esta área ganha um encanto especial no Verão, quando pode ficar alojado nas bonitas casa à beira dos lagos e fazer passeios de barco.

Entre os vários pontos de interesse, destacam-se o castelo de Savonlinna, palco de um grande festival de ópera durante o Verão, o museu subterrâneo de Retretti, as corridas de barcos dragões em Tahko e a Aldeia das Saunas de Muurame.

Helsínquia, é obviamente uma cidade a não perder, (noite de São João).

Também no Verão, refira-se o Festival Medieval em Turku, a antiga capital da Finlândia, envolta numa atmosfera histórica e com um bonito castelo, e o Festival das Flores em Tampere. Hämeenlinna, terra que viu nascer o compositor Sibelius, a idílica Porvoo e a pequena cidade portuária de Naantali, de traça antiga e casas em madeira, são outros pontos de paragem obrigatórios.



Informações úteis

Moeda: EuroIndicativos: 00 358 (Finlândia) + 9 (Helsínquia) ou 16 (Rovaniemi)

Diferença horária: mais duas horas do que em Portugal continental

O que levar: Ao contrário do que pode parecer não se deve vestir roupa muito grossa mas sim várias camadas de roupa que agasalhe e isole bem, de preferência de algodão. Também são essenciais óculos para se proteger dos reflexos da neve e creme protector para a cara, mãos e lábios. E não esqueça que por causa das baixas temperaturas as pilhas da sua máquina fotográfica se esgotam mais depressa. Tente conservar a máquina entre o casaco e o corpo ou se for pequena dentro dum bolso.

Onde comer
A maioria dos hotéis tem bons restaurantes. O almoço, servido entre as 11 e as 13 horas, é normalmente ligeiro e consiste num prato principal, salada e café. Mais tarde, entre as 17 e as 18 horas, haverá uma outra refeição mais forte e uma refeição muito leve pelas 21 horas. Para jantar num restaurante costuma-se ir a partir das 19 horas. Nas terras mais pequenas em muitos restaurantes pode-se dançar à noite, a partir das 21 horas; Em geral, os finlandeses bebem às refeições água, leite e cerveja. As influências da cozinha vêm tanto da cozinha francesa como da russa.

A Finlândia é um país com muitos lagos e, por isso, com muito peixe: arenque do Báltico marinado ou com molho de mostarda, peixe assado no forno, lúcio, perca, ou lota do rio em molho, empadas, sem esquecer o salmão fresco, fumado ou salgado. Também existe uma grande variedade de pratos de carne, acompanhados com molhos muito diversos. A carne de rena, que também se prepara de várias maneiras, é muito saborosa e tem um baixo nível de gordura.

Compras

O salmão, a carne de rena, as salsichas, as conservas de arenque, os licores e os chocolates são produtos populares. Nos mercados, nos armazéns e nas lojas especializadas encontrará grande variedade de objectos típicos: jóias, cristais, tapetes rústicos de parede, malhas de lã, peles de rena e objectos de madeira ou de couro. Os lapões têm o seu próprio artesanato, muito característico e colorido. Como artigos de luxo devem-se mencionar os casacos de pele de marta finlandesa de excelente qualidade, se bem que muito pouco politicamente correctos para os defensores dos direitos dos animais. A Finlândia não é um país especialmente barato no que se refere às compras, mas é possível adquirir objectos de qualidade excelente.As lojas estão abertas na generalidade das 9 às 18 horas, de segunda a sexta-feira e das 9 às 14 ou 15 horas aos sábados. No Verão muitas lojas abrem também aos domingos..

Clima/Quando ir
O Inverno é a estação mais longa da Lapónia. A época de penumbra, chamada "Kaamos" na Lapónia, começa em meados de Novembro e dura até meados de Janeiro. Quando o Natal (a festa mais celebrada na Finlândia) se aproxima, usam-se tochas no exterior e velas no interior das casas para criar um ambiente especialmente acolhedor e caloroso. Dezembro é a temporada alta na Lapónia graças às visitas ao Pai Natal e ao ambiente natalício em geral. Nas noites frias do Inverno, com um pouco de sorte, pode assistir-se a um dos fenómenos mais belos da natureza, a aurora boreal. Janeiro e Fevereiro costumam ser os meses mais frios, com temperaturas médias a situar-se entre os 10º e os 15ºC negativos (à noite podem chegar facilmente aos - 30ºC!), mas em Março e Abril já rondam os 0ºC e os 5ºC negativos. O início da Primavera é ainda época de neve. Na realidade, a temporada mais importante das actividades de neve é Março e Abril. A neve derrete no Sul do país nos princípios de Abril, enquanto no Norte isto acontece só no fim do mês de Abril. O resto do país vive uma autêntica metamorfose quando a natureza começa a florescer nos princípios e em meados de Maio. As grandes festas da Primavera são a Semana Santa e o 1.º de Maio, que é tradicionalmente celebrado em especial pelos estudantes. Em Maio começa a época do Sol da Meia-noite, que vai até finais de Julho (quanto mais para norte mais tempo o Sol brilhará no horizonte).
Sao imprescindiveis uma visita em comboio ao seu escritório e à fábrica dos brinquedos na "Montanha da Orelha" (segundo dizem a montanha é em forma de orelha para o Pai Natal poder ouvir o que se passa em todo o mundo), mesmo no Círculo Polar Árctico, começa com uma conversa pessoal com o velho senhor. Sentadas no seu colo, ou solenemente na sua frente, as crianças, a princípio um pouco tímidas, podem conversar com ele. Nas estantes os enormes livros de todos os continentes, onde, segundo consta, estão inscritas as moradas de todos os meninos. Depois é tempo de uma breve visita ao seu posto de correio, que envia e recebe cartas de todo o mundo. Endereço? Simplesmente "Pai Natal - Lapónia". E no posto de correio local é possível enviar-se correspondência com o carimbo exclusivo do Pai Natal.
Uma volta pela Lapónia
Mas, embora tudo o que diga respeito ao Natal apele à imaginação, a Lapónia tem muito mais para oferecer. Comecemos por Rovaniemi, uma cidade interessante em muitos aspectos, até porque tem vários edifícios da autoria do famoso arquitecto Alvar Aalto, considerado o pai da arquitectura contemporânea. Ponto de partida para a maioria das aventuras radicais organizadas mais a Norte, já acima da linha do Círculo Polar Árctico, em Rovaniemi deve visitar o museu Arktikum, um original edifício concebido pelos arquitectos Birch-Bonderup & Thorup-Waade, que alberga uma excelente mostra sobre a cultura e os costumes dos povos da região.

Pai Natal no Santa Park
Os finlandeses e, em especial os lapões, são muito divertidos e inventivos. Apesar do clima e das baixas temperaturas, nem por isso deixam de gozar a vida, só tiveram que se adaptar a meses e meses em que a neve cobre toda a região. Por isso, morrer de tédio é coisa que não lhe vai acontecer por aqui. Pode começar por jogar uma partida de golfe na neve ou tomar um banho numa piscina do Árctico, ou ainda pescar (não, não estou a brincar, aqui tudo é possível!).
Outra actividade muito concorrida e divertida é o "Monotantsit": as danças a meio da tarde que se realizam em restaurantes junto das pistas de esqui de fundo, onde as pessoas relaxam dançando com elegância, sem tirar as botas.

Um pouco mais a Sul, Kemi oferece dois dos pontos altos desta viagem: o Hotel de Gelo (ou Castelo da Neve, www.snowcastle.net), um hotel que é construído todos os Invernos, com bar, recepção, quartos e até capela onde se celebram casamentos, tudo feito de gelo que na Primavera é empurrado para o mar. Depois de uma noite bem passada entre as peles de ovelha que lhe servem de cobertores, sugerimos-lhe que se aventure num safari em moto de neve até ao único quebra-gelos de passageiros do mundo: o Sampo. Espera-o um dia inesquecível. É que, além da refeição servida a bordo e da viagem entre os glaciares, terá oportunidade de tomar um banho no meio dos blocos de gelo recém-partidos. Pois é, não parece verdade, mas é! Todos os passageiros vestem um fato térmico especial e em seguida são empurrados para a água, podendo lá boiar por algum tempo sem sentirem frio. O cenário pode ser um pouco excêntrico, com vários seres estranhos, à deriva, vestidos de borracha cor de laranja... mas a sensação é única!

Passeios de trenó e motos de neve
Como recordação, poderá trazer uma carta de condução de renas, válida por cinco anos nas superfícies geladas da Lapónia, e um diploma que atesta a sua viagem no Sampo.
Segue-se uma paragem em Levi, uma das estâncias de esqui mais célebres da Lapónia.
A paisagem é fabulosa e as montanhas impõem respeito. Com neve em grande quantidade até finais de Abril, aqui começa-se bem cedo a praticar este tipo de desportos, por isso existe um complexo especial para as crianças, onde estas podem passar o dia de um modo activo e dar os seus primeiros passos nestes desportos. Todas as pistas para o esqui de fundo e esqui alpino possuem iluminação nocturna, por isso não há problema se escolher fazer as suas férias no pino do Inverno, altura em que o Sol nunca chega a nascer. E se este não é o seu desporto de eleição e não ficar completamente seduzido pela ideia de esquiar na Lapónia, pode sempre visitar a casa do pintor Reidar Sarosteniemi, uma figura excêntrica, que já se tornou num dos ex-líbris de Levi. É que construiu na sua propriedade uma casa inspirada num conto russo sobre pés de galinha em madeira!

Mas imprescindível mesmo é fazer um safari em trenó puxado por cães Huskies. Existem várias quintas especializadas nestes passeios que podem durar apenas uma hora ou transformar-se em verdadeiros safaris que duram vários dias e que o levam a grande velocidade pelas infindáveis superfícies geladas.
Depois de Levi, e se viajar em fins de Março, poderá seguir para Hetta, onde se realizam os festejos do Dia de Maria (uma celebração religiosa dos Samis que remonta ao século XIV). Mais uma experiência única, já que esta pequena povoação fica mesmo no Norte da Lapónia, quase na fronteira com a Noruega, quase no Fim do Mundo! Na rua principal monta--se um grande mercado, no lago gelado há corridas de renas, concursos de laço e competições com esquis tradicionais. Todos os anos, na praça principal são construídas em gelo várias cópias de igrejas que já não existem. À noite, começa a festa rija, com muita comida, bebida, música e animação. Os Samis podem parecer tímidos à primeira vista, mas a sua animação é contagiosa e em breve acolhem os visitantes como que se da sua própria gente se tratasse. Se não teve coragem para experimentar antes, este é o momento para entrar no mundo da sauna, uma palavra de origem finlandesa e com uma tradição bem enraizada nos hábitos locais. Na Finlândia existem saunas em toda a parte, hotéis, albergues, casas particulares, perfazendo um total de dois milhões de saunas para cinco milhões de habitantes! É preciso dizer mais?
Actividade que nao pode perder:
Mergulho nas águas geladas do Golfo da Bótnia, uma das actividades promovidas na viagem turística a bordo do quebra-gelo Sampo .
Um verdadeiro ritual que, ao activar a circulação do sangue, tem um efeito relaxante e dá uma sensação de frescura única. Tudo começa com um duche, segue-se uma passagem por um compartimento quente, onde se entra completamente nu (as saunas são separadas por sexos, mas os finlandeses não têm qualquer problema com a nudez) para que o corpo possa transpirar livremente. Aqui, o calor pode atingir 80 ou mesmo 100 º C até se chegar a transpirar. A seguir, a água que se atira sobre as pedras quentes produz ainda mais calor. Após 5-10 minutos, quando o corpo está bem relaxado, há que baixar a temperatura do corpo entrando rapidamente num lago, numa piscina ou tomando um duche frio. Pode repetir esta fase quantas vezes quiser. Se a primeira vez é um pouco difícil, a segunda é já mais agradável e certamente que à terceira já não quer outra coisa. A sensação de relaxe e uma bonita cor no rosto permanecem durante horas. Uma verdadeira bênção para o espírito e para o corpo e a melhor forma de finalizar uma viagem!

Para mais informaçõesTurismo da Finlândia,
c/ Fernando el Santo, 27, 5.ºA, 28010 Madrid. Tel.: 214 154 245 (linha directa a partir de Portugal).





De que esta a espera...o Natal esta ai a Porta!!




No comments:

Post a Comment

Post a Comment